Seguidores

quinta-feira, 5 de dezembro de 2013

Te quero…


Foto: Te  quero…

Eu te quero simples
Ali onde me amas 
Na tua breve primavera,
Florescendo na linguagem 
Nossas orquídeas e jasmins

Adilson Shiva

Te quiero…

Yo te quiero sencilla
Allí donde me amas
En tu breve primavera,  
Floreciendo en el lenguaje 
Nuestras Orquídeas y jazmines…

Adilson Shiva
Eu te quero simples
Ali onde me amas
Na tua breve primavera,
Florescendo na linguagem
Nossas orquídeas e jasmins

Adilson Shiva

Te quiero…

Yo te quiero sencilla
Allí donde me amas
En tu breve primavera,
Floreciendo en el lenguaje
Nuestras Orquídeas y jazmines…

Adilson Shiva

sábado, 9 de novembro de 2013

Hoje

Foto: Hoje

Hoje,
Estou me sentindo
Com um mar de coisas
Dentro de mim...

Respirei sua brisa, senti seu cheiro
À guisa de um olhar,
Tão distante, que esse mar me traz...

Esse mar, que não tem fim...
Vai e vem, desejante, retorna sempre
Ao mesmo lugar...
   
Meu peito
Singrando as correntes,
Sem porto para aportar

Hoje acordei assim ...

Adilson Shiva


Hoy

Hoy, 
Estoy sintiéndome 
Con un mar de cosas Dentro de mí... 

Respiré su brisa, sentí su olor
A la guisa de un mirar, 
Tan distante, que ese mar me trae...

Ese mar, que no tiene fin... 
Va y viene, deseante, y
Vuelve siempre al mismo lugar... 

Mi pecho singrando las corrientes,
Sin puerto para atracar
Hoy me desperté así ...

Adilson Shiva
Hoje,
Estou me sentindo
Com um mar de coisas
Dentro de mim...

Respirei sua brisa, senti seu cheiro
À guisa de um olhar,
Tão distante, que esse mar me traz...

Esse mar, que não tem fim...
Vai e vem, desejante, retorna sempre
Ao mesmo lugar...

Meu peito
Singrando as correntes,
Sem porto para aportar

Hoje acordei assim ...

Adilson Shiva


Hoy

Hoy,
Estoy sintiéndome
Con un mar de cosas Dentro de mí...

Respiré su brisa, sentí su olor
A la guisa de un mirar,
Tan distante, que ese mar me trae...

Ese mar, que no tiene fin...
Va y viene, deseante, y
Vuelve siempre al mismo lugar...

Mi pecho singrando las corrientes,
Sin puerto para atracar
Hoy me desperté así ...

Adilson Shiva

O amor insiste…

Foto: O amor insiste… 

Nosso olhar, nossas palavras perderam-se
De nossos sonhos… Feito amor mau nascido… 

Quero que saibas que o olhar
Está para além do dar-se a ver, 
Para além da visão…

Como puro movimento do desejo, 
Lugar onde é possível habitar o amor, 
Porque o amor insiste…

Adilson Shiva

El amor insiste…

Nuestro mirar, nuestras palabras se perdieron
De nuestros sueños… Hecho amor mal nacido…

Quiero que sepas que el mirar
Esta más allá de darse a ver, 
Más allá de la visión…

Como puro movimiento del deseo,
Lugar donde es posible habitar el amor,
Porque el amor insiste… 

Adilson Shiva.
Nosso olhar, nossas palavras perderam-se
De nossos sonhos… Feito amor mau nascido…

Quero que saibas que o olhar
Está para além do dar-se a ver,
Para além da visão…

Como puro movimento do desejo,
Lugar onde é possível habitar o amor,
Porque o amor insiste…

Adilson Shiva

El amor insiste…

Nuestro mirar, nuestras palabras se perdieron
De nuestros sueños… Hecho amor mal nacido…

Quiero que sepas que el mirar
Esta más allá de darse a ver,
Más allá de la visión…

Como puro movimiento del deseo,
Lugar donde es posible habitar el amor,
Porque el amor insiste…

Adilson Shiva.

terça-feira, 5 de novembro de 2013

Veredas...

Foto: Veredas...

Agora que a alma percorreu todas as formas 
Da paixão com seus fulgores perdidos, 
Ensinar-te-ei que o amor é possível...
...ponto final!

(Adilson Shiva)

Veredas…

Ahora que el alma ha recorrido todas las formas
De la pasión con sus fulgores perdidos,
Te ensenaré que el amor es posible…
…punto final!

(Adilson Shiva)
Agora que a alma percorreu todas as formas
Da paixão com seus fulgores perdidos,
Ensinar-te-ei que o amor é possível...
...ponto final!

(Adilson Shiva)

Veredas…

Ahora que el alma ha recorrido todas las formas
De la pasión con sus fulgores perdidos,
Te ensenaré que el amor es posible…
…punto final!

(Adilson Shiva)

Fingidor…

Foto: Fingidor… 

Seus desejos sem sonhos eram barcos à deriva… 
Por isso te distanciaste para o além do mar… 

O mesmo mar onde jazem palavras
E versos que um dia me pertenceram… 

Ninguém saberá de nossa dissimulada morte, 
Porque fingimos estar vivos…

Adilson Shiva

Fingidor…

Tus deseos sin sueños eran barcos a la deriva…
Por eso te alejaste más allá del mar…

El mismo mar donde yacen palabras
Y versos que un día me pertenecieron…

Nadie sabrá de nuestra disimulada muerte,
Porque fingimos estar vivos…

Adilson Shiva
Seus desejos sem sonhos eram barcos à deriva…
Por isso te distanciaste para o além do mar…

O mesmo mar onde jazem palavras
E versos que um dia me pertenceram…

Ninguém saberá de nossa dissimulada morte,
Porque fingimos estar vivos…

Adilson Shiva

Fingidor…

Tus deseos sin sueños eran barcos a la deriva…
Por eso te alejaste más allá del mar…

El mismo mar donde yacen palabras
Y versos que un día me pertenecieron…

Nadie sabrá de nuestra disimulada muerte,
Porque fingimos estar vivos…

Adilson Shiva

sábado, 2 de novembro de 2013

Velos de Faltas - Despertares

“el psicoanálisis nos asegura que existe bajo el término inconsciente algo calificable, accesible y capaz de ser objetivado” J. Lacan.

Esta página la pensé como un espacio para poder compartir humor, arte, fotos, música y todo lo que nos permita imaginar y llenar los huecos del alma.  Es para mí, transmitirles el psicoanálisis desde mi experiencia personal y profesional.

Todos los días la vida nos da una chance...eso se llama amanecer. El dolor de existir es parte de la vida y ser único es transformarse para lograr llevar nuestros sueños adelante y eso es posible si no tenemos miedo y aprendemos a descubrir los fantasmas que nos habitan y trabajamos  para encontrar las distancias justas con los otros de nuestra vida....Es un camino de amor , con uno y con los otros.

Lic. ROSSANA GLUSBERG  ( Santiago de  Chile) ADMINISTRADORA- FUNDADORA
rossglus@gmail.com


Colaboran con Velos de faltas- despertares:

Lic. Marcela Silvia Pantano ( Argentina)
pantanomarcela@yahoo.com.ar.

Lic. Adilson Shiva ( Brasil)
Adilson3054@gmail.com

velosdefaltas.despertares@gmail.com

Recibimos todo el material que Uds quieren publicar. Trabajos, cuentos, fotos, poemas, etc

ESTA PAGINA ES SIN FINES DE LUCRO.


 www.facebook.com/Velosdefaltas.

A noite...

Foto: A noite... 
Minha solidão não me é estranha… 
Sei estar só com todas minhas vidas… 

Quando a noite quer que sejamos noite 
Para que a contraria-la? 

Por vezes a mim também quis
E me transformei em pássaro noturno… 

Adilson Shiva

La noche...
Mi soledad no me es extraña…
Sé estar solo con todas mis vidas…

Cuando la noche quiere que seamos noche
Para qué contrariarla?

Por veces a mi también me quiso
Y me transformé en pájaro nocturno…

Adilson Shiva
Minha solidão não me é estranha…
Sei estar só com todas minhas vidas…

Quando a noite quer que sejamos noite
Para que a contraria-la?

Por vezes a mim também quis
E me transformei em pássaro noturno…

Adilson Shiva

La noche...
Mi soledad no me es extraña…
Sé estar solo con todas mis vidas…

Cuando la noche quiere que seamos noche
Para qué contrariarla?

Por veces a mi también me quiso
Y me transformé en pájaro nocturno…

Adilson Shiva

Chove…

Foto: Chove… 

Falo do silêncio que há em uma poesia
Escrita pela chuva que cai…

Instante em que uma pergunta insiste: 
¿Que fomos antes de nos amar? 

E a chuva segue mansa, miúda,
Doce e sonâmbula…

Adilson Shiva
 
Llueve…

Hablo del silencio que hay en una poesía
Escrita por la lluvia que cae…

Instante en que una pregunta insiste:
¿Qué fuimos antes de amarnos?

Y la lluvia sigue mansa, pequeña, 
Dulce y sonámbula…

Adilson Shiva
Falo do silêncio que há em uma poesia
Escrita pela chuva que cai…

Instante em que uma pergunta insiste:
¿Que fomos antes de nos amar?

E a chuva segue mansa, miúda,
Doce e sonâmbula…

Adilson Shiva

Llueve…

Hablo del silencio que hay en una poesía
Escrita por la lluvia que cae…

Instante en que una pregunta insiste:
¿Qué fuimos antes de amarnos?

Y la lluvia sigue mansa, pequeña,
Dulce y sonámbula…

Adilson Shiva

segunda-feira, 28 de outubro de 2013

Sonhos…

Foto: Sonhos…

Em ti e para ti, 
Cada poema é despido e novo como o amanhecer...

Minha solidão tem me ensinado a conviver com sua presença 
Fugaz como um sonho… 

Algum dia, em algum sonho 
Quando vieres… 
Receber-te-ei ,de longe ,com um grito de alegria…

Adilson Shiva

Sueños...

En ti y para ti,
Cada poema es desnudado y nuevo como el amanecer…

Mi soledad ha me enseñado a convivir con tu presencia,
Fugaz como un sueño…

Algún día, en algún sueño,
Cuando vinieres…
Te recibiré de lejos con un grito de alegría… 

Adilson Shiva
Em ti e para ti,
Cada poema é despido e novo como o amanhecer...

Minha solidão tem me ensinado a conviver com sua presença
Fugaz como um sonho…

Algum dia, em algum sonho
Quando vieres…
Receber-te-ei ,de longe ,com um grito de alegria…

Adilson Shiva

Sueños...

En ti y para ti,
Cada poema es desnudado y nuevo como el amanecer…

Mi soledad ha me enseñado a convivir con tu presencia,
Fugaz como un sueño…

Algún día, en algún sueño,
Cuando vinieres…
Te recibiré de lejos con un grito de alegría…

Adilson Shiva

Sonhar é preciso…

Foto: Sonhar é preciso… 

Longe do ruído, a noite descansa... 
Só suspiros invadem um ontem longínquo.
 
De repente, alheio a todo cálculo, 
Nascem as flores de cujos nomes esquecemos, 
Mesmo quando lhes faltam o ar… 

O vento não pode visitar um sonho. 
É necessário sonhar com o mar.

Adilson Shiva

Soñar  es preciso…

Lejos del ruido, la noche descansa...
Sólo suspiros invaden un ayer lejano.

De pronto, ajeno a todo cálculo,
Nacen las flores de cuyos nombres olvidamos,
Mismo cuando les faltan el aire…

El viento no puede visitar un sueño. 
Es necesario soñar con el mar. 

Adilson Shiva
Longe do ruído, a noite descansa...
Só suspiros invadem um ontem longínquo.

De repente, alheio a todo cálculo,
Nascem as flores de cujos nomes esquecemos,
Mesmo quando lhes faltam o ar…

O vento não pode visitar um sonho.
É necessário sonhar com o mar.

Adilson Shiva

Soñar es preciso…

Lejos del ruido, la noche descansa...
Sólo suspiros invaden un ayer lejano.

De pronto, ajeno a todo cálculo,
Nacen las flores de cuyos nombres olvidamos,
Mismo cuando les faltan el aire…

El viento no puede visitar un sueño.
Es necesario soñar con el mar.

Adilson Shiva

O tempo…

Foto: O tempo… 

O tempo tem razão. 
Já não preciso falar da intensidade
De um novo sol para crer na luz… 
Transito entre o silêncio, a inocência do assombro, 
A palavra e seu desaparecimento,

Para voltar à claridade,
À simplicidade de uma vida 
E à descoberta e maturidade 
De um novo amor… 

Adilson Shiva


El tiempo…

El tiempo tiene razón.
Ya no necesito hablar de la intensidad 
de un nuevo sol para creer en la luz…
Transito entre el silencio, la inocencia del asombro,
La palabra y su desaparición,

Para volver a la claridad
A la sencillez de una vida
Y a la descubierta y madurez 
De un nuevo amor…

Adilson Shiva
O tempo tem razão.
Já não preciso falar da intensidade
De um novo sol para crer na luz…
Transito entre o silêncio, a inocência do assombro,
A palavra e seu desaparecimento,

Para voltar à claridade,
À simplicidade de uma vida
E à descoberta e maturidade
De um novo amor…

Adilson Shiva


El tiempo…

El tiempo tiene razón.
Ya no necesito hablar de la intensidad
de un nuevo sol para creer en la luz…
Transito entre el silencio, la inocencia del asombro,
La palabra y su desaparición,

Para volver a la claridad
A la sencillez de una vida
Y a la descubierta y madurez
De un nuevo amor…

Adilson Shiva

domingo, 22 de setembro de 2013

Mais além...

Partir é doloroso e necessário.
Não há que se esperar que o destino nos aniquile
Ou que fiquemos tentando à sorte...
Há outras possibilidades abertas...

Isto é:
Transpor a palavra prolongada num verso,
E deixar que a loucura seja um pouco pluma
Um pouco primavera...

Adilson Shiva






Primavera…

Foto: Primavera… 

Eis  aqui a vida, formosa e dura, 
Mas não quero falar de nossas noites, nossas luas, 
Senão de nosso modo de ser rio, 
Remanso, torvelinho, estio… 
É primavera…

A vida vagarosamente 
Perfuma o ar, 
Desfolhando rosas sobre uma boca, 
De quem sente tua fuga irrevogável. 

Digo-te: 
Sonha-me como te sonho  aqui...
 
Amanheço... 
Amanhecemos… 
É primavera…


Primavera…

He aquí la vida, hermosa y dura,
Pero no quiero hablar de nuestras noches, nuestras lunas,
Sino de nuestro modo de ser rio,
Remanso, torbellino, estío…
Es primavera…

La vida despaciosamente
Perfuma el aire, 
Deshojando rosas sobre una boca,
De quien siente tu fuga irrevocable.

Te digo:
Suéñame como te sueño aquí....

Amanezco... 
Amanecemos…
Es primavera…

Adilson Shiva
Eis aqui a vida, formosa e dura,
Mas não quero falar de nossas noites, nossas luas,
Senão de nosso modo de ser rio,
Remanso, torvelinho, estio…
É primavera…

A vida vagarosamente
Perfuma o ar,
Desfolhando rosas sobre uma boca,
De quem sente tua fuga irrevogável.

Digo-te:
Sonha-me como te sonho aqui...

Amanheço...
Amanhecemos…
É primavera…


Primavera…

He aquí la vida, hermosa y dura,
Pero no quiero hablar de nuestras noches, nuestras lunas,
Sino de nuestro modo de ser rio,
Remanso, torbellino, estío…
Es primavera…

La vida despaciosamente
Perfuma el aire,
Deshojando rosas sobre una boca,
De quien siente tu fuga irrevocable.

Te digo:
Suéñame como te sueño aquí....

Amanezco...
Amanecemos…
Es primavera…

Adilson Shiva

terça-feira, 13 de agosto de 2013

A paz…

Foto: A paz… 

Escrevi um poema azul 
Feito de estrelas e céu… 
Com os lábios do meio dia, 
Sigo com meu coração pintado de branco… 

Estou em paz…

Adilson Shiva

La paz…

Escribí un poema azul
Hecho de estrellas y cielo…
Con los labios del mediodía,
Sigo con mi corazón pintado de blanco…

Estoy en paz…

Escrevi um poema azul
Feito de estrelas e céu…
Com os lábios do meio dia,
Sigo com meu coração pintado de branco…

Estou em paz…

Adilson Shiva

La paz…

Escribí un poema azul
Hecho de estrellas y cielo…
Con los labios del mediodía,
Sigo con mi corazón pintado de blanco…

Estoy en paz…

sábado, 10 de agosto de 2013

Abismos…

Foto: Abismos…

“E tu, revelas teu medo
ao começar pela primeira letra 
a chamar meu nome...
Eu já fui pela vida...”


Abismos…

“Y tú,  revelas  tu miedo
al comenzar por la primera letra
a llamar mi nombre…
Yo ya me fui por la vida…”

Adilson Shiva
“E tu, revelas teu medo
ao começar pela primeira letra
a chamar meu nome...
Eu já fui pela vida...”


Abismos…

“Y tú, revelas tu miedo
al comenzar por la primera letra
a llamar mi nombre…
Yo ya me fui por la vida…”

Adilson Shiva

Em tempo ...

Foto: Em tempo ...

Tu és o que perdi,
Por isso não me entendes ...

És um verso interminável,
palavra distante, como um astro,
desabitado e frio.

Sabemos que o tempo é curto,
Tudo é fugaz e se perde o momento
das coisas...
Portanto, não te silencies ...

Esse não dizer,
Em vez de se aproximar-nos, nos distancia.
Quem saberá, daqui a cem anos,
Que houve um mundo entre nós?

Adilson Shiva


En tiempo…

Tú eres lo que he perdido, 
Por eso no me entiendes…

Eres un verso  inacabable, 
palabra  lejana como un astro, 
deshabitado y frío.

Sabemos que el tiempo es corto,
todo es fugaz y se pierde 
el momento de las cosas…
Por eso no te silencies…

Este no decir, 
en lugar de acercarnos, nos aleja.
Quién sabrá, dentro de cien años, 
que hubo un mundo entre nosotros?
Tu és o que perdi,
Por isso não me entendes ...

És um verso interminável,
palavra distante, como um astro,
desabitado e frio.

Sabemos que o tempo é curto,
Tudo é fugaz e se perde o momento
das coisas...
Portanto, não te silencies ...

Esse não dizer,
Em vez de se aproximar-nos, nos distancia.
Quem saberá, daqui a cem anos,
Que houve um mundo entre nós?

Adilson Shiva


En tiempo…

Tú eres lo que he perdido,
Por eso no me entiendes…

Eres un verso inacabable,
palabra lejana como un astro,
deshabitado y frío.

Sabemos que el tiempo es corto,
todo es fugaz y se pierde
el momento de las cosas…
Por eso no te silencies…

Este no decir,
en lugar de acercarnos, nos aleja.
Quién sabrá, dentro de cien años,
que hubo un mundo entre nosotros?

terça-feira, 6 de agosto de 2013

Sem mais...

Foto: Sem mais....

Essa noite conversaremos de luz apagada…
Gosto quando as palavras tropeçam no escuro
E os mal-entendidos, simples desejos...

a poesia sempre se reescreve...
Nos protegendo do tédio...

e o amor contorna o sentido das coisas.
Não nos conhecemos, por isso nos amamos...

Adilson Shiva


Sin más...

Esa noche conversaremos de luz apagada… 
Me Gusta cuando las palabras tropiezan en el oscuro 
Y los malos entendidos, simples deseos... 

La poesía siempre se reescribe... 
Protegiéndonos del tedio... 

y el amor contorna el sentido de las cosas.
No nos conocemos, por eso nos amamos...
Essa noite conversaremos de luz apagada…
Gosto quando as palavras tropeçam no escuro
E os mal-entendidos, simples desejos...

a poesia sempre se reescreve...
Nos protegendo do tédio...

e o amor contorna o sentido das coisas.
Não nos conhecemos, por isso nos amamos...

Adilson Shiva


Sin más...

Esa noche conversaremos de luz apagada…
Me Gusta cuando las palabras tropiezan en el oscuro
Y los malos entendidos, simples deseos...

La poesía siempre se reescribe...
Protegiéndonos del tedio...

y el amor contorna el sentido de las cosas.
No nos conocemos, por eso nos amamos...

domingo, 14 de julho de 2013

Para não dizer que não falei de flores…

Foto: Para não dizer que não falei de flores…

Qui-la porque tinha um gerânio escuro 
Nos olhos tristes… que se perderam, 
Nessas ilhas de distâncias… 

E os meus ausentes de mim, 
Perderam-se, sem rumo, no horizonte,
Desta praia nua… O ponto exato,

Onde não encontra o lábio palavras; 
Só o silêncio das conchas, 
E lágrimas… 

Qui-la porque tinha um gerânio escuro 
Nos olhos tristes…

Adilson Shiva 


Para no decir que no hablé de flores…

La quise porque tenía un geranio oscuro
En los ojos tristes… que se perdieron
En esas islas de distancias…

Y los míos ausentes de mi,
Se  perdieron, sin rumbo, en el horizonte
De esta desnuda playa…El punto exacto 

Donde no encuentra el labio palabras;
Solo el silencio de las conchas,
Y lágrimas…

La quise porque tenía un geranio oscuro
En los ojos tristes…

Adilson Shiva
Qui-la porque tinha um gerânio escuro
Nos olhos tristes… que se perderam,
Nessas ilhas de distâncias…

E os meus ausentes de mim,
Perderam-se, sem rumo, no horizonte,
Desta praia nua… O ponto exato,

Onde não encontra o lábio palavras;
Só o silêncio das conchas,
E lágrimas…

Qui-la porque tinha um gerânio escuro
Nos olhos tristes…

Adilson Shiva


Para no decir que no hablé de flores…

La quise porque tenía un geranio oscuro
En los ojos tristes… que se perdieron
En esas islas de distancias…

Y los míos ausentes de mi,
Se perdieron, sin rumbo, en el horizonte
De esta desnuda playa…El punto exacto

Donde no encuentra el labio palabras;
Solo el silencio de las conchas,
Y lágrimas…

La quise porque tenía un geranio oscuro
En los ojos tristes…

Adilson Shiva

Divagaciones IV

Foto: Divagaciones IV

Nessas noites frias, abraço palavras,
Esqueço quase todas as palavras simples,
No instante em que te vejo passar...

O coração sabe o que sustenta seu bater, 
Ao olhar de perto teus olhos e teus cabelos soltos 
Com a disfarçada ousadia de um corsário!


Divagaciones IV

En esas noches frías, abrazo palabras,
Olvido  casi todas las palabras simples
En el instante  en que te veo pasar…

El corazón sabe lo que sostiene su latir,
Al mirar cercano  tus ojos y tus cabellos sueltos
Con la disfrazada osadía de un corsario!

Adilson Shiva
Nessas noites frias, abraço palavras,
Esqueço quase todas as palavras simples,
No instante em que te vejo passar...

O coração sabe o que sustenta seu bater,
Ao olhar de perto teus olhos e teus cabelos soltos
Com a disfarçada ousadia de um corsário!


Divagaciones IV

En esas noches frías, abrazo palabras,
Olvido casi todas las palabras simples
En el instante en que te veo pasar…

El corazón sabe lo que sostiene su latir,
Al mirar cercano tus ojos y tus cabellos sueltos
Con la disfrazada osadía de un corsario!

Adilson Shiva

Divagaciones V…

Foto: Divagaciones V… 

Danço a música que de teu corpo emana 
Está claro que meus passos equivocados 

Embriagam-me…e eu te direi 
Ainda que tu já o saibas 
É meu primeiro mareio por amor… 

Adilson Shiva 


Divagaciones V…

Danzo la música que de tu cuerpo emana
Está claro que mis pasos equivocados 

Me embriagan…y yo te diré
aunque vos ya lo sepas
es mi primer mareo por amor…

Adilson Shiva
Danço a música que de teu corpo emana
Está claro que meus passos equivocados

Embriagam-me…e eu te direi
Ainda que tu já o saibas
É meu primeiro mareio por amor…

Adilson Shiva


Divagaciones V…

Danzo la música que de tu cuerpo emana
Está claro que mis pasos equivocados

Me embriagan…y yo te diré
aunque vos ya lo sepas
es mi primer mareo por amor…

Adilson Shiva

Tempo…

Foto: Tempo… 

Envelheci… 
Não me vi quando me dei conta, 
Que os anos se passaram… 
E que por não ter respostas 
Algo havia sido perdido… 
Para nascerem coisas novas. 

Meus olhos que ignoravam todo o existente 
Agora olham para além da existência…

Porque há algo que não se esgota: 
Falo do amor...


Tiempo…

Envejecí…
No me vi cuando me di cuenta
Que los anos se pasaran…
y que por no haber respuestas
algo se había perdido…
Para nacer cosas nuevas.

Mis ojos que ignoraban todo lo existente
Ahora miran más allá de la existencia…

Porque hay algo que no se agota:
Hablo del amor….

Adilson Shiva
Envelheci…
Não me vi quando me dei conta,
Que os anos se passaram…
E que por não ter respostas
Algo havia sido perdido…
Para nascerem coisas novas.

Meus olhos que ignoravam todo o existente
Agora olham para além da existência…

Porque há algo que não se esgota:
Falo do amor...


Tiempo…

Envejecí…
No me vi cuando me di cuenta
Que los anos se pasaran…
y que por no haber respuestas
algo se había perdido…
Para nacer cosas nuevas.

Mis ojos que ignoraban todo lo existente
Ahora miran más allá de la existencia…

Porque hay algo que no se agota:
Hablo del amor….

Adilson Shiva

sábado, 8 de junho de 2013

Poesia…

Foto: Poesia…

Logo tudo se acaba…
Ficamos com o quieto das coisas,
Labirinto onde a vida se move… 

Ao final, há uma porta,
Não há palavras, todavia.
O momento é cheio de voz.

A poesia volta do esquecimento…
Volta só para encontrar uma voz,
Mas hoje guardei silêncio...versos brancos.

Poesía…

Luego todo se acaba…
Nos quedamos con lo quieto de las cosas,
Laberinto donde la vida se mueve…

Al final, hay una puerta,
No hay palabras, todavía
El momento es lleno de voz.

La poesía vuelve del olvido…
Vuelve sólo para encontrar una voz,
Pero hoy guardé silencio...versos blancos.

Adilson Shiva

Logo tudo se acaba…
Ficamos com o quieto das coisas,
Labirinto onde a vida se move…

Ao final, há uma porta,
Não há palavras, todavia.
O momento é cheio de voz.

A poesia volta do esquecimento…
Volta só para encontrar uma voz,
Mas hoje guardei silêncio...versos brancos.

Poesía…

Luego todo se acaba…
Nos quedamos con lo quieto de las cosas,
Laberinto donde la vida se mueve…

Al final, hay una puerta,
No hay palabras, todavía
El momento es lleno de voz.

La poesía vuelve del olvido…
Vuelve sólo para encontrar una voz,
Pero hoy guardé silencio...versos blancos.

Adilson Shiva

Simple

Foto: Simple

Te acuerdas el tiempo de los lunes?
Los ojos cerraban y olvidaban del mundo,

Y, mi boca dormía en tu tímido beso…

Adilson Shiva
Difunde Velos de Faltas


Te acuerdas el tiempo de los lunes?
Los ojos cerraban y olvidaban del mundo,

Y, mi boca dormía en tu tímido beso…

Adilson Shiva

Noites e luas…


Foto: Noites e luas…

Que eternidade de luas já vividas
Para conquistar os dias nos que tu não estás… 

O tempo transcorrido naufraga em meus versos
Em cada instante, em cada noite, em cada rosto de ti… 

Onde escrevo: 
Bela é toda a partida


Noches y lunas…

Qué eternidad de lunas ya vividas 
Para conquistar los días en los que tú no estás…
El tiempo transcurrido naufraga en mis versos 

En cada instante, en cada noche, 
En cada rostro de ti…

Donde escribo: 
Bella es toda partida

Adilson Shiva
Que eternidade de luas já vividas
Para conquistar os dias nos que tu não estás…

O tempo transcorrido naufraga em meus versos
Em cada instante, em cada noite, em cada rosto de ti…

Onde escrevo:
Bela é toda a partida


Noches y lunas…

Qué eternidad de lunas ya vividas
Para conquistar los días en los que tú no estás…
El tiempo transcurrido naufraga en mis versos

En cada instante, en cada noche,
En cada rostro de ti…

Donde escribo:
Bella es toda partida

Adilson Shiva

Fotos antigas…

Foto: Fotos antigas… 

Tantos amores que não parecem
 Verdadeiros numa só vida… 
Atravessam como uma enfermidade, 
Os entardeceres que se sucedem,
Tão doces e tão sombrios,

E o poeta os descreve na inocência
Do próximo verso como remédio… 
Um tempo que passe e cure tal qual
Uma foto antiga… 

Adilson Shiva

Fotos antiguas…

Tantos amores que no parecen ciertos
en una sola vida…
atraviesan como una enfermedad,
Los atardeceres que se suceden,
Tan dulces y tan sombríos,

Y el poeta los describe en la inocencia
Del próximo verso como remedio…
Un tiempo que pase y cure tal cual
Una foto antigua…

Adilson Shiva
Tantos amores que não parecem
Verdadeiros numa só vida…
Atravessam como uma enfermidade,
Os entardeceres que se sucedem,
Tão doces e tão sombrios,

E o poeta os descreve na inocência
Do próximo verso como remédio…
Um tempo que passe e cure tal qual
Uma foto antiga…

Adilson Shiva

Fotos antiguas…

Tantos amores que no parecen ciertos
en una sola vida…
atraviesan como una enfermedad,
Los atardeceres que se suceden,
Tan dulces y tan sombríos,

Y el poeta los describe en la inocencia
Del próximo verso como remedio…
Un tiempo que pase y cure tal cual
Una foto antigua…

Adilson Shiva

Sonhos...

Foto: Sonhos... 

Ao cair da noite, quero encontrar um rosto,
Com inocente doçura… um sorriso,
Para além das horas de solidão,
Que nos assombra e nos enche de silêncio…

Que a cada vez que abra os lábios
Inunde de estrelas o vazio.
Desse quarto de tão incerta luz...

Sueños…

Al caer de la noche, quiero encontrar un rostro
Con inocente dulzura…una sonrisa,

Más allá de las horas de soledad, 
Que nos asombra y nos llena de silencio…

Que cada vez que abra los labios
Inunde  de estrellas el vacío.
De esa habitación  de tan incierta luz...

Adilson Shiva
Ao cair da noite, quero encontrar um rosto,
Com inocente doçura… um sorriso,

Para além das horas de solidão,
Que nos assombra e nos enche de silêncio…

Que a cada vez que abra os lábios
Inunde de estrelas o vazio.
Desse quarto de tão incerta luz...

Sueños…

Al caer de la noche, quiero encontrar un rostro
Con inocente dulzura…una sonrisa,

Más allá de las horas de soledad,
Que nos asombra y nos llena de silencio…

Que cada vez que abra los labios
Inunde de estrellas el vacío.
De esa habitación de tan incierta luz...

Adilson Shiva

Outonos…

Foto: Outonos…

Esta é a folha, que se separa da árvore,
Cai e dorme… seu outono.

Esta é a solidão na que descanso minha cabeça
Em teus lençóis,
Que ainda respiram teu perfume…

Adilson Shiva

Otoños…

Esta es la hoja, que separase del árbol
Cae y duerme… su otoño.

Esta es la soledad
en la que descanso mi cabeza en tus sabanas
Que aun respiran tu perfume…

Adilson Shiva
Esta é a folha, que se separa da árvore,
Cai e dorme… seu outono.

Esta é a solidão na que descanso minha cabeça
Em teus lençóis,
Que ainda respiram teu perfume…

Adilson Shiva

Otoños…

Esta es la hoja, que separase del árbol
Cae y duerme… su otoño.

Esta es la soledad
en la que descanso mi cabeza en tus sabanas
Que aun respiran tu perfume…

Adilson Shiva

quinta-feira, 30 de maio de 2013

Travessia…


Foto: Travessia… 

De teus lábios brota a noite e,
A solidão do fogo…Que morre ao amanhecer… 
No entanto amo essa travessia que chamo vida.

Muito lentamente, dei-me conta que 
Sou e não sou aquele que tens esperado… 

Adilson Shiva

Travesía…

De tus labios brota la noche y,
La soledad del fuego…Que muere al amanecer…
Sin embargo amo esa travesía que llamo vida.

Muy lentamente, me di cuenta que
Soy y no soy aquel que has esperado…

Adilson Shiva
De teus lábios brota a noite e,
A solidão do fogo…Que morre ao amanhecer…
No entanto amo essa travessia que chamo vida.

Muito lentamente, dei-me conta que
Sou e não sou aquele que tens esperado…

Adilson Shiva

Travesía…

De tus labios brota la noche y,
La soledad del fuego…Que muere al amanecer…
Sin embargo amo esa travesía que llamo vida.

Muy lentamente, me di cuenta que
Soy y no soy aquel que has esperado…

Adilson Shiva

Estas palabras menudas…


Foto: Estas palabras menudas…

Era como escuchar 
El sonido de violines antiguos,
Y, estas palabras menudas…

La noche ordenaba que tan sólo existiesen
Murmullos  de una canción
Que se entonaba triste...

Estas palabras menudas…
Como gorjeo diminuto
Y para qué una voz si nadie escucha?

Adilson Shiva

Estas palavras miúdas… 

Era como escutar
 O som de violinos antigos,
 E, estas palavras miúdas… 

A noite ordenava que tão só existissem
 Murmúrios de uma canção
Que se entoava triste...

Estas palavras miúdas…
Como gorjeio diminuto 
E para que uma voz se ninguém escuta? 

Adilson Shiva
Era como escuchar
El sonido de violines antiguos,
Y, estas palabras menudas…

La noche ordenaba que tan sólo existiesen
Murmullos de una canción
Que se entonaba triste...

Estas palabras menudas…
Como gorjeo diminuto
Y para qué una voz si nadie escucha?

Adilson Shiva

Estas palavras miúdas…

Era como escutar
O som de violinos antigos,
E, estas palavras miúdas…

A noite ordenava que tão só existissem
Murmúrios de uma canção
Que se entoava triste...

Estas palavras miúdas…
Como gorjeio diminuto
E para que uma voz se ninguém escuta?

Adilson Shiva

Ventanas

Foto: Ventanas 

Estos mayos  pasan, puede ser que me olvides,
Aunque vengas mañana…
En tu ausencia de hoy perdí algún sueño.

La palabra ausencia
Tal vez no la escuches o tal vez no la comprendas.

Hay una amargura de los días que  se siguen
Imperceptiblemente, cuando no resta
Nada más allá de un nombre…

En ese mundo cerrado de  mi habitación,
Inútilmente iluminada. ..

Adilson Shiva

Janelas

Estes maios passam, pode ser que me esqueças,
Ainda que venhas amanhã… 
Em tua ausência de hoje perdi algum sonho.

A palavra ausência
Talvez não a escutes ou talvez não a compreendas.

Há uma amargura dos dias que se seguem
Imperceptivelmente, quando não resta
Nada para além de um nome…

Nesse mundo fechado do meu quarto,
Inutilmente iluminado...

Adilson Shiva
Estos mayos pasan, puede ser que me olvides,
Aunque vengas mañana…
En tu ausencia de hoy perdí algún sueño.

La palabra ausencia
Tal vez no la escuches o tal vez no la comprendas.

Hay una amargura de los días que se siguen
Imperceptiblemente, cuando no resta
Nada más allá de un nombre…

En ese mundo cerrado de mi habitación,
Inútilmente iluminada. ..

Adilson Shiva

Janelas

Estes maios passam, pode ser que me esqueças,
Ainda que venhas amanhã…
Em tua ausência de hoje perdi algum sonho.

A palavra ausência
Talvez não a escutes ou talvez não a compreendas.

Há uma amargura dos dias que se seguem
Imperceptivelmente, quando não resta
Nada para além de um nome…

Nesse mundo fechado do meu quarto,
Inutilmente iluminado...

Adilson Shiva

terça-feira, 21 de maio de 2013

Mais uma noite ...


Foto: Mais uma noite ...

Ontem à noite escutei ao  vento, em silêncio,
Como alguém que escreve versos a luz de velas ...
Era sempre a tua voz, o teu sonho, onde
Minha sombra e eu  já não me  reconhecia ...

É possível fazer algo mais com uma ausência?
Em cada lembrança, arrancarei o impossível amor
De melancólica prece,
Ainda que me reste a alma solitária…

Adilson Shiva
Ontem à noite escutei ao vento, em silêncio,
Como alguém que escreve versos a luz de velas ...
Era sempre a tua voz, o teu sonho, onde
Minha sombra já não me reconhecia ...

É possível fazer algo mais com uma ausência?
Em cada lembrança, arrancarei o impossível amor
De melancólica prece,
Ainda que me reste a alma solitária…

Adilson Shiva
Una noche más…

Anoche escuché al viento, en silencio,
Como quien escribe versos a la luz de velas…
Era siempre tu voz, tu sueño, donde

Mi sombra ya no me reconocía…

Es posible hacer algo más con una ausencia?
En cada recuerdo, arrancaré el imposible amor
De melancólica plegaria,
Aunque me quede el alma solitaria…

sábado, 18 de maio de 2013

Uma palavra de amor...

Foto: Uma palavra de amor...

Sobre todas as coisas, o homem que te ame,
Deverá achar uma palavra abstrata que diga amor,

Porque o amor é uma forma de maduração,
Tal como as nuvens que se transformam em chuva...

Quando momentos de relâmpagos iluminam o coração e,
O desejo da mulher é um grito no corpo…

Adilson Shiva
Sobre todas as coisas, o homem que te ame,
Deverá achar uma palavra abstrata que diga amor,

Porque o amor é uma forma de maduração,
Tal como as nuvens que se transformam em chuva...

Quando momentos de relâmpagos iluminam o coração e,
O desejo da mulher é um grito no corpo…

Adilson Shiva

quarta-feira, 15 de maio de 2013

Despertares…

Foto: Despertares…

Acordamos certa manhã,
uma vez para sempre,
do calor do ultimo sonho...

O bater das ondas era a tua voz
que se converteu em lembranças:
Só um sussurro...

Adilson Shiva
Acordamos certa manhã,
uma vez para sempre,
do calor do ultimo sonho...

O bater das ondas era a tua voz
que se converteu em lembranças:
Só um sussurro...

Adilson Shiva

Quando chove...

Foto: Quando chove...

Passo a passo, sigo naufragando,
Por trás dos silêncios teus… 

Ouvindo as chuvas que aqui caem,
Como a melodia da canção que cantávamos,
Mas tua voz não chega...

Adilson Shiva
Quando chove...

Passo a passo, sigo naufragando,
Por trás dos silêncios teus…

Ouvindo as chuvas que aqui caem,
Como a melodia da canção que cantávamos,
Mas tua voz não chega...

Adilson Shiva

Gracias a la vida...

A vida segue, escrevendo versos,
Levando um sorriso,
Que sempre escapa da face...

Não há fim sem um começo, há sempre
Um vento frio, soprando nosso rosto...
Ou um copo vazio na mão.

Há muito que dormir e acordar...
Abrir os olhos e fechar...
Há muito que escurecer e clarear

Por isso meu bem, não apague ainda a luz
Deixe-a acesa, iluminando o que ainda é escuro
O amor não diz "não"...apenas "espere"

(©By Adilson Shiva)

quarta-feira, 1 de maio de 2013

Chuva, mais uma vez...

Foto: Chuva, mais uma vez...

Voltei a te encontrar, mas já não eras tu
Ou já não era eu... Perdemos-nos
 Na infinita dimensão do que era ser.

Agora, me perco nas próprias palavras que escrevo,
Que insistem em me mostrar distâncias e ausências.

Adormeço, sonhando com o tempo em que te habitava
E amanheço um novo poema, que reinventa os mesmos versos,

Tentando encontrar o que poderá ser...
Nosso ser… quando formos chuva...

(Adilson Shiva)
Voltei a te encontrar, mas já não eras tu
Ou já não era eu... Perdemo-nos
Na infinita dimensão do que era ser.

Agora, me perco nas próprias palavras que escrevo,
Que insistem em me mostrar distâncias e ausências.

Adormeço, sonhando com o tempo em que te habitava
E amanheço um novo poema, que reinventa os mesmos versos,

Tentando encontrar o que poderá ser...
Nosso ser… quando formos chuva...

(Adilson Shiva)

Um pouco mais sobre o tempo...

Foto: Um pouco mais sobre o tempo...

Espero...
Não sei o que espero, nem por quê.
É a minha maneira de saber que o tempo
É a ausência da eternidade...

Uma forma de saber do tempo,
Saindo do espelho como uma lembrança,
Como um desejo de risos, de vozes,
Que habitaram essa casa abandonada...

Adilson Shiva

Espero...
Não sei o que espero, nem por quê.
É a minha maneira de saber que o tempo
É a ausência da eternidade...

Uma forma de saber do tempo,
Saindo do espelho como uma lembrança,
Como um desejo de risos, de vozes,
Que habitaram essa casa abandonada...

Adilson Shiva

(...)

A mesma Lua...

Foto

Então ...

Foto: Então ...

A luz é por vezes temporária
E  o encontro surpreende
Ao abrir os olhos e ver,

Que teu corpo e o meu seguem
Sem cessar a distância ...
de corpos que padecem do toque...

Adilson Shiva
A luz é por vezes temporária
E o encontro surpreende
Ao abrir os olhos e ver,

Que teu corpo e o meu seguem
Sem cessar a distância ...
de corpos que padecem do toque...

Adilson Shiva

quinta-feira, 28 de março de 2013

Como sempre...

domingo, 24 de março de 2013

Um poema esquecido...

Foto: Um poema esquecido...

O que virá depois do silêncio, para além da tua pele?
Dentro do teu olhar, toda luz e toda sombra...
E, tua boca me sorria...

Como dizer-te amor...?
Em que momento entregas docemente
 Tua boca sem temor ou sofrimento?

Só duas palavras bastam hoje: 
Te quero...

 Adilson Shiva

sexta-feira, 15 de fevereiro de 2013

Pedaços de qualquer lugar...

Foto: Pedaços de qualquer lugar...

Somos um segredo guardado pelas horas,
Dessas noites insones e quentes, 
Quando o amor sonha acordado...

Nessas ilhas de distância,
O coração é uma secreta solidão,
E a alma silenciosa viaja no arco íris ou relâmpago...

Então escuta:
Eu te chamo desde minhas solidões,
No sussurro leve das ondas desse mar,
Que banha teu corpo...

(Adilson Shiva)
Somos um segredo guardado pelas horas,
Dessas noites insones e quentes,
Quando o amor sonha acordado...

Nessas ilhas de distância,
O coração é uma secreta solidão,
E a alma silenciosa viaja no arco íris ou relâmpago...

Então escuta:
Eu te chamo desde minhas solidões,
No sussurro leve das ondas desse mar,
Que banha teu corpo...

(Adilson Shiva)

Dilemas...

Foto: Dilemas...

No silêncio, tragar a imensidão da noite
E decifrar os segredos dos passos perdidos,
Talvez, neste poema que vou escrevendo...

Ou talvez seja esse poema mais uma armadilha,
Ao pensar que podíamos ter-nos conhecido, mas nos perdemos,
Quando me chamavas com minha voz...

Mas, o que fazer com o medo?
Tua alma, que é outra, meu amor não reconhecia,
E, minha vida em tua vida, querendo ser tudo, nada seria...

(Adilson Shiva)
No silêncio, tragar a imensidão da noite
E decifrar os segredos dos passos perdidos,
Talvez, neste poema que vou escrevendo...

Ou talvez seja esse poema mais uma armadilha,
Ao pensar que podíamos ter-nos conhecido, mas nos perdemos,
Quando me chamavas com minha voz...

Mas, o que fazer com o medo?
Tua alma, que é outra, meu amor não reconhecia,
E, minha vida em tua vida, querendo ser tudo, nada seria...

(Adilson Shiva)

Há-Mares

Foto: Há-Mares

No escuro,
Adivinho a pele do teu rosto como pétalas aveludadas
Que se despertam ternamente na estação mais úmida do ano...

Mesmo com um mar
Que se obstina e cresce no horizonte, nossos mundos
Se juntam e se estreitam em nossos sonhos...

(Adilson Shiva)
No escuro,
Adivinho a pele do teu rosto como pétalas aveludadas
Que se despertam ternamente na estação mais úmida do ano...

Mesmo com um mar
Que se obstina e cresce no horizonte, nossos mundos
Se juntam e se estreitam em nossos sonhos...

(Adilson Shiva)

Dança...


Foto: Dança...

Dançando na noite clara,
A mesma lua a banhar nossos corpos...
Pele a pele, cara a cara
Sussurro ao teu ouvido: te amo!

E me dizes:
Sinto um batido no meu corpo...
É teu coração ou o meu?Ainda não dormi,
Mas não me deixes sair desse sonho!

(Adilson Shiva)
Dançando na noite clara,
A mesma lua a banhar nossos corpos...
Pele a pele, cara a cara
Sussurro ao teu ouvido: te amo!

E me dizes:
Sinto um batido no meu corpo...
É teu coração ou o meu?Ainda não dormi,
Mas não me deixes sair desse sonho!

(Adilson Shiva)

À flor da pele...(II)



Foto: BOM DIA!!!

BOM DOMINGO !!!!

http://www.youtube.com/watch?feature=player_embedded&v=9SZ-l1IPF9A